Pranayama – Técnicas Respiratórias ou Controle da Energia Vital

postado em: Blog, Yoga | 0

Pranayama pode ser traduzido como Técnicas Respiratórias ou Controle da Energia Vital (Prana).

A respiração nos conecta com o mundo exterior. Quando nascemos nosso primeiro ato é inspirar. Quando morremos no último ato é expirar. Esse conceito de intercâmbio ao inspirar e expirar é importante, pois a maneira que respiramos representa a maneira que vivemos.
A respiração pode ser voluntária e involuntária. Respiramos cerca de quatorze ou dezoito vezes por minuto ou aproximadamente vinte mil vezes por dia.

Nossa respiração está ligada ao Sistema Nervoso Autônomo que rege o Sistema Nervoso Simpático (inspirar, ação) e Sistema Nervoso Parassimpático (expirar, relaxar). Está também intimamente ligada aos nossos estados emocionais positivos como alegria, felicidade, amor, plenitude ou negativos como stress, ansiedade, depressão e raiva. 

Modificando nossa maneira de respirar “consertamos” algo que em nós não está bem. Nas técnicas de Hatha Yoga (Ha quer dizer Sol, Tha quer dizer Lua e Yoga quer dizer União), segundo o Sábio Patanjali que escreveu os Yoga Sutras com 196 aforismos ele dividiu o Yoga em oito partes, o Ashtanga Yoga sendo o Pranayama o quarto passo em importância após os Yamas (condições éticas), Nyamas (deveres ou virtudes)e Àsanas (posturas psicofísicas). 

Além do oxigênio, respiramos Prana (energia sútil), leve e mais penetrante que o próprio ar e expiramos gás carbônico e Prana. Com os Pranayamas ou Técnicas Respiratórias melhoramos a oxigenação de todos os órgãos e tecidos do nosso corpo, aumentamos nossa capacidade respiratória, tonificamos o diafragma, os músculos intercostais, equilibramos o PH do sangue (7,2, 7,4) e equilibramos nosso sistema nervoso, emocional e psíquico. 

Nos pranayamas as fase de respiração compreendem a Puraka (inspiração), Kumbhaka (retenção com os pulmões cheios),  Rechaka (expiração), Kumbhaka  (retenção com os pulmões vazios). A maioria dos pranayamas são feitos com a respiração pelas narinas. Poucos pranayamas são feitos pela boca. O motivo é porque o nariz aquece, umidifica e filtra o ar que  entra em nosso pulmões. O músculo do diafragma controla a respiração. Com isto os pulmões ficam sadios, os músculos respiratórios ficam fortes e as vias respiratórias desobstruídas. 

PRANA

De acordo com a filosofia hindu a natureza é composta de duas substâncias principais, uma é Akasha ou éter e a outra é PRANA que pode ser definido como energia vital que permeia todo o Universo. Portanto realizar o Pranayama ou controle do Prana é o meio através do qual o yogue tenta realizar em seu corpo a totalidade da vida cósmica e tenta atingir a perfeição. O yogue que atinge a perfeição – Sidha – possui poderes – Siddhis. Com a prática de ÀSANAS é possível controlarmos o corpo físico. Com a prática de PRANAYAMAS é possível controlarmos o corpo sútil e o corpo astral. Existe uma conexão entre nossa respiração e as correntes nervosas. 

PRANA é a soma de toda a energia manifestada no Universo. Todas as formas de vida manifestada é prana, desde as células, o mais pequenino inseto, até os grandes sistemas solares. Luz, calor, eletricidade, gravidade, atração, repulsa, magnetismo são manifestações do Prana. Tudo que se move, tenha vida é uma manifestação de Prana.

Absorvemos Prana principalmente pela respiração mas também pela água que bebemos e pelos alimentos frescos que comemos. Controlando nossa respiração podemos controlar e desenvolver nosso corpo, nossos sentidos, nossas emoções, nossa mente  e nosso espírito.

A respiração dirigida pelo pensamento e pela força de vontade é vitalizante, reformadora, pode curar as doenças físicas e as doenças emocionais as chamadas doenças psicossomáticas.

Através dos pranayamas a respiração controlada yogue podemos armazenar uma quantidade substancial de prana de reserva no cérebro e nos centros nervosos aumentando nossa saúde, força e energia vital.

O Prana assume cinco formas em nosso corpo:

  1. Prana – coração – respiração – cor do sangue, do rubi ou coral.
  2. Apana – ânus – excreção, eliminação – cor de um inseto branco ou vermelho.
  3. Samana – umbigo – digestão – cor entre o leite puro, cristal e a cor brilhante do azeite.
  4. Udana – garganta – deglutição – cor branco pálido. 
  5. Vyana – move-se por todo o corpo- circulação do sangue – cor de um raio azul.

Dos cinco Prana e Apana são os principais agentes. 

OS NADIS – As Correntes Sutis do Corpo

nadis corrente movimento
Nadis

Segundo o texto Hatha Yoga Pradipika temos 72.000 NADIS no corpo. A palavra NADI significa corrente, movimento. Acima dos órfãos genitais e abaixo do umbigo está o Kanda, do feitio de um ovo de pássaro. Dali sobem os 72.000 Nadis. Os Nadis são tubos feitos de matéria astral e são condutores de energia prânica. 

Eles constituem uma rede extremamente fina de canais sutis que se espalha por todo o corpo etérico (corpo de prana, invólucro prânico – pranamayakosha – ou corpo energético). Muitas doenças  decorrem do congestionamento, de bloqueios ou restrições ao funcionamento do sistema de nadis.

A maioria das pessoas vê o corpo humano como uma série de camadas progressivamente mais sutis, a semelhança de uma cebola; mas a verdade é exatamente o oposto disso. Cada um dos corpos penetra o anterior até o centro do corpo físico, ou seja todos interpenetram-se. É isso que faz com que o sistema de nadis possa existir nos corpos físico e energético simultaneamente. 

Os principais Nadis são IDA que flui pela narina esquerda , PINGALA que flui pela narina direita e SUSHUMNA que é o Nadi mais importante. Situado no cóccix, próximo do ânus, está ligado a coluna espinhal e se estende até o Bhahmarandha da cabeça e é invisível e sutil. O Nadi SUSHUMNA tem a função de transportar o prana dos Nadis Ida e Pingala por todos os principais chakras.

IDA é lunar, feminino,negativo,  frio, tamásico, néctar, SN parassimpático. PINGALA é solar, masculino, positivo, quente, rajásico, veneno, SN simpático. O canal central é Sushumna. Ida e Pingala indicam  o tempo. Sushumna dissipa o tempo.

Dos 72.000 Nadis, 72 são os mais conhecidos e os principais são dez: 

  1. Sushumna – o Nadi inicia no cóccix, corre ao  longo da coluna vertebral até o topo da cabeça. 
  2. Ida – o Nadi conduzido pela narina esquerda. 
  3. Pingala – o Nadi conduzido pela narina direita. 
  4. Ghandari – o Nadi no sentido do olho esquerdo.
  5. Hastijihva– o Nadi no sentido do olho direito. 
  6. Pusha – O Nadi no sentido da orelha direita. 
  7. Yashasvini – O Nadi do sentido da orelha esquerda. 
  8. Alambusha – O Nadi no sentido da boca. 
  9. Kuhu – O Nadi no sentido dos órgãos reprodutores.
  10. Shamkhini – O Nadi no sentido do órgão excretor. 

A Iluminação Espiritual SAMADHI acontece quando a energia enrolada em espiral, a Kundalini, o poder da serpente, ou Shakti adormecido que tem três espirais e meio voltadas  pra baixo do chakra Muladhara passar pelo orifício do Nadi Sushumna e for levada a subir pelos sete chakras.

Chakras
Chakras
  1. Muladhara – localizado entre o ânus e os genitais – contém 4 pétalas -elemento Terra -sentido Olfato. 
  2. Svadhistana – localizado nos órgãos genitais – contém 6 pétalas – elemento Àgua – sentido Paladar.
  3. Manipura – localizado no umbigo – contém 10 pétalas – Elemento Fogo – Sentido Visão.
  4. Anahata – localizado no coração – contém 12 pétalas – Elemento Ar – sentido Tato.
  5. Vishuddha – localizado na garganta – Elemento Éter – sentido Audição. 
  6. Ajna – localizado no espaço entre as sobrancelhas- 2 pétalas – cósmico.
  7. Sahasrara – localizado no topo da cabeça – é o lótus de mim pétalas – cósmico. 

Os dois nadis Ida e Pingala serpenteiam em volta do Nadi central Sushumna. Cruzam-no quatro vezes, na altura do segundo, terceiro, quarto e quinto chackas (nas localizações tradicionais dos chakras segundo o Yoga), que não são as mesmas que as ocidentais. Quando Kundalini atravessa os Chackras e desata os nós ( Brahma Granthi no umbigo, Vishnu Granthi no peito, Shiva Granthi no centro da testa) abrem-se camadas após camadas da mente e o yogue adquire vários Siddhis. Acontece o SAMADHI, a Iluminação Espiritual. Na Iluminação os praticantes ouvem sons, os movimentos vibracionais (rastejar, saltar, erguer-se, flutuar) gerados pela Energia Kundalini.

Purificação dos Nadis

Pela prática de Pranayamas, consegue-se purificação dos Nadis, a melhora da digestão e da assimilação dos alimentos e seus nutrientes, a eliminação de excreções e toxinas do corpo, a audição clara dos sons espirituais e a boa saúde. Com os nadis purificados o corpo fica leve, forte e esbelto e a pele brilha. 

Os Shatkarmas, os seis processos purificatórios do corpo  ou os seus kriyas. 

  1. Dhauti – limpeza do tudo digestivo. é feita engolindo uma tira de musselina. 
  2. Basti – limpeza dos intestinos.
  3. Neti – inserir um fio nas narinas – Jala-Neti – limpeza das narinas feita com água. 
  4. Trataka – fixar um ponto firmemente sem piscar os olhos.
  5. Nauli – massagem abdominal com o auxílio dos músculos reto e abdominais. 
  6. Kapalabhati – Inspirar e expirar rapidamente com ênfase na expiração. 

Há vários tipos de pranayamas com inúmeros benefícios. Devem ser praticados com orientação de uma professora (or) de yoga. Porque para cada pessoa há um pranayama que atendem a suas necessidades físicas, mentais e emocionais. 

Saiba mais sobre Pranayamas – Técnicas Respiratórias e seus Benefícios.

Referências Bibliográficas: Yesudian, Selvarejan e Elisabeth Haich – Ioga e Saúde – Editora CultrixFernandes, Nilda – Yoga Terapia – Ground Editora Cella Al-Chamali,  Gabriella – Yoga Manual Prático Kuvalayananda, Swami – Asanas – Phorte Editora Sivananda, Swami – A Ciência do Pranayama – Editora Pensamento Johari, Harish – Chakras Centros Energéticos de Transformação – Editora Bertrand Feuerstein, Georg – A Tradição do Yoga – Editora Pensamento Lizards, Claudia – Ayur Amrita 

Seguir Profª Fatima:

Professora de Yoga

Olá, eu sou a Fátima, professora da escola de Yoga Casa Verde. Há cerca de 20 anos ministro aulas de Yoga. Nesta minha jornada sei que preciso aprender e me aprimorar sempre para poder ensinar, pois eu sei que cada aluno é diferente. O Yoga é uma fonte inesgotável de conhecimento que traz Luz para todos que se comprometem a ensiná-lo e a praticá-lo. Namaste